sábado, 26 de abril de 2008

Encontrando as Pedras II

(clique para ampliar)
Deyvid Veloso é graduando do Curso de Filosofia (UFMA)
Foto : Flaviano Menezes
Local: Praia Grande, São Luis- Maranhão

domingo, 20 de abril de 2008

Maranharte Informa:7ª Semana de Letras - UFMA

As inscrições estão abertas até o dia 26 de maio de 2008 como os valores: R$ 15,00 para estudante e R$ 20,00 para graduados. As inscrições das comunicações estão sendo recebidas na sala de apoio 2 do CCH e a duração é de 10 minutos de apresentação e 10 para discussão.

Infelizmente teremos poucos debates sobre nossa literatura:
MESA REDONDA : BATE-PAPO COM ESCRITORES MARANHENSES:
Geraldo Iesen, Wilson Marques e Werton Neto.

MESA REDONDA : REGIONALISMO NA LITERATURA BRASILEIRA
Prof.ª Dr.(a) Rita Santos. Prof. Raimundo Nonato Marreiros.

Esperamos que nas comunicações apareçam trabalhos sobre os nossos.
A semana será realizada no período de 26 a 30 de maio.
O Blog da semana: http://www.setimasemanaletras.blogspot.com/

sábado, 19 de abril de 2008

Maranharte Informa: Encontro Nacional dos estudantes de Letras (ENEL)


ENEL-2008 Belém-Pa
Data do Encontro:19/07 - 26/07/08

Inscrição:
Período: 03/03/08 ---- 30/04/08
Inscrição Completa: R$65.00 (inscrição+alojamento+alimentação)
Inscrição+Alojamento: R$50.00
Inscrição+Alimentação: R$55.00
Somente Inscrição: R$40.00
Período: 01/05/08 ---- 19/06/08
Inscrição Completa: R$80.00 (inscrição+alojamento+alimentação)
Inscrição+Alojamento: R$65.00
Inscrição+Alimentação: R$70.00
Somente Inscrição: R$60.00

Período: 27/06/08 ---- 19/07/08
Inscrição Completa: R$100.00 (inscrição+alojamento+alimentação)
Inscrição+Alojamento: R$85.00
Inscrição+Alimentação: R$90.00
Somente Inscrição: R$80.00

Agência: 3702-8
Conta Poupança: 23951-8 Banco do Brasil

O recebimento de trabalhos acontecerá de 01 de março a 16 de maio (No velho e conhecido esquema: oficina, mini-curso, comunicações, painéis e GD'S). Quem quiser pode propor atividades culturais tipo exposições (fotográficas, de esculturas, de poesias...). Interessados enviar resumo, anexo ao e-mail, para xxixenel_academia@yahoo.com.br

Os trabalhos serão aceitos até o dia 30.05.2008

Encontrando as Pedras I

Mariane Vieira é formada em Letras - Licenciatura e
é Pós-graduanda em Lingua Portuguesa e Literatura (FAMA)

Caminho das Padras: Museus de São Luís



Visitação nos museus:

≠ Museu Histórico e Artístico do Maranhão (R. do Sol N°302)
≠ Museu de Arte Sacra (R. 13 de Maio N° 500)
≠ Museu Domingos Vieira Filho (Rua do Giz, 221)
≠ Casa de Nhozinho (R. Portugal N° 185)
≠ Casa do Maranhão (R. do Trapiche –Praia Grande)
≠ Museu de Artes Visuais (Rua Portugal – Praia Grande)
De terça a domingo, das 09:00 às 18:00 h.

≠ Palácio dos Leões
Segunda, quarta e sexta-feira das 14:00 às 17:30 h.

≠ Convento das Mercês (R. da Palma)
≠ Cafua das Mercês (Museu do Negro) (ao lado do Convento)
≠ Solar dos Vasconcelos
Das 08:00 às 12:00 e de 14:00 `s 18:00

Maranharte Convida

Novas pedras

E reforçamos o convite para todos aqueles que apreciam e produzem a Literatura Maranhense para contribuírem com o nosso folhetim enviando poemas, crônicas ou críticas. E vocês; escritores, donos de livrarias, pintores, grupos teatrais e artistas em geral que querem divulgar suas obras, promoções, exposições e espetáculos. Entrem em contato conosco, esse informativo irá circular na UFMA, UEMA, Faculdade SANTA FÉ e UniCEUMA onde alguns dos nossos colaboradores estudam ou ensinam.

PEDRA PRECIOSA : Nauro Machado



ANÁLISE
Em Nauro Machado a persecução do ser, traduzida na angústia existencial que o faz indagar, no espaço de um contínuo desconforto metafísico, acerca da morte, da solidão, de Deus, do sexo, associa-se aos embates morfossintáticos e semânticos vivenciados no corpo da linguagem. Neste sentido, Nauro é o poeta do ser e da linguagem.
Em “O Parto”, poema do primeiro livro, aparece esta problemática, de certo modo, o que vem dito, ou sugerido, neste poema vai se reafirmar nas variações rítmicas e temáticas dessa estranha e obscura sinfonia que é a poesia naurina. Esta consciência dilacerada do poeta e do poema, esta necessidade de tocar as vísceras das coisas, esta busca da verdade, enfim, este pacto inadiável com a essência conformam as linhas de força centrais do seu lirismo filosófico e metafísico. 


Texto de Hildeberto Barbosa Filho
Adaptação: Mariane Vieira

Opinião de Pedra: Jose Neres

Estudemos Nossas Letras

A literatura maranhense é rica? Não há dúvida de que a resposta para tal pergunta só pode ser afirmativa. Mas essa riqueza não pode ser deixada em um museu imaginário ao qual somente poucos pesquisadores tem acesso. É preciso divulgá-la.
Os escritores maranhenses de incontestável valor são tantos e tão bons que riscar seus nomes das letras brasileiras equivaleria a reduzi-las drasticamente tanto em quantidade com em qualidade. Contudo, infelizmente, tão poucos são os literatos maranhenses estudados academicamente em âmbito nacional que os demais estados brasileiros acabam desconhecendo a existência de muitos nomes de nossa literatura.
Aqui caberia uma pergunta; Quem é o culpado por isso? A resposta, embora inusitada, pode ser facilmente comprovada: o próprio maranhense. Lemos pouco os nossos e discutimos suas obras menos ainda. Os que têm suas publicações estudadas metodicamente formam um grupo extremamente reduzido. Raros são os estudos consistentes sobra a obra de Viriato Correa, Humberto de Campos, Graça Aranha, Coelho Neto, Maria Firmina, Joaquim Serra, Nauro Machado, Bandeira Tribuzi, José Chagas e João Mohana, dentre tantos que merecem o justo reconhecimento literário. O pior de tudo isso é que bem pouco fazemos para mudar este quadro. Parece que nós maranhenses, ainda não tomamos consciência de que temos o dever de preservar nossa memória cultural e de difundi-la pelos quatro pontos do país.
Estudemos nossos escritores, sob o risco que a ausência dessa atitude poderá condenar muitos homens de letras à incômoda condição de mais uma peça inerte de nosso já tão vasto museu do ostracismo literário.


José Neres
Prof° de Literatura Brasileira (FAMA)
Fonte: jornal Estado do Maranhão(1998)