segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Maranharte Informa: lançamento da Coleção Incluir



Inclusão Social

Associação de Livreiros do Maranhão lança Coleção

Incluir, de Sharlene Serra, nesta terça, na Feira do Livro

Dando continuidade às ações estratégicas de incentivo à leitura e democratização literária, a Associação de Livreiros do Estado do Maranhão (Alem) promoverá nesta terça-feira, 29, o lançamento dos quatros livros paradidáticos da Coleção Incluir, da autora maranhense Sharlene Serra. O lançamento será às 17h, na Casa do Escritor da 5ª Feira do Livro de São Luís, instalada na Praça Maria Aragão.

Com a parceria estratégica da Associação dos Livreiros do Maranhão, a Feira é uma realização conjunta da Prefeitura de São Luís e Serviço Social do Comércio (Sesc/MA). Por meio da participação dos 68 estandes de livrarias que disponibilizam mais de 180 mil títulos de 500 editoras, valorização do autor e lançamentos literários, a Alem fortalece a importância cultural, social e educativa da Feira do Livro de São Luís.

O presidente da Associação dos Livreiros do Maranhão, Edilson Dominici, destaca que a nesta terça, 29, o público da Feira 2011 terá a oportunidade de adquirir a preços de Feira todos os quatro volumes da Coleção Incluir. “São quatro livros paradidáticos da escritora Sharlene Serra, que promovem a inclusão social, abordando as deficiências visuais, auditivas, físicas e a Síndrome de Down”, disse Dominici.

Os títulos são “Olhando com Ritinha”, uma garotinha deficiente visual, que nos faz entender a sua forma de ver e perceber o mundo à sua volta; “Ouvindo com Vitória”, deficiente auditiva que nos ensina a sua forma de comunicação e o alfabeto em Libras de forma ritmada e divertida; “Aprendendo com Biel”, um garoto com Síndrome de Down, que ensina a todos que para amar não precisa pressa.

O quarto título da Coleção Incluir é ”Caminhando com Paulo”, um menino cadeirante que queria tornar a sua cidade mais acessível e depois de muita luta, superação de desafios e diálogos alcança os objetivos”. A Coleção Incluir tem o patrocínio do Banco do Nordeste, Banco do Desenvolvimento e Governo do Brasil. A divulgação estadual conta com a parceria da Associação dos Livreiros do Maranhão.

PAUTA:

Edilson Dominici - Presidente da Alem - 8816 9583

Hélio Ricardo - Secretário de Comunicação - 8168 0102

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Caminho das Pedras : V Feira do Livro de São Luís


São Luís se transformará na cidade do livro e da leitura

Hoje, dia 25 de novembro de 2011, começa a 5ª edição da Feira do Livro de São Luís. A cerimônia acontecerá na Praça Maria Aragão, às 19 horas, e contará com a presença do patrono José Chagas, e dos homenageados o teatrólogo Aldo Leite e a professora e escritora Sônia Almeida.

Serão dez dias de intensas atividades literárias e culturais ancoradas pelo tema “Dos mirantes da memória aos becos da saudade, São Luís, revela a tua poesia”. O evento é realizado pela Fundação Municipal de Cultura (Func) e co-realizado pelo Serviço Social do Comércio (Sesc/MA).

A programação conta com cerca de 300 eventos, incluindo seminários, encontros, oficinas, rodas de conversa, lançamentos e relançamentos de livros, exibição de filmes, programações especiais para o público infantil e juvenil, programação artístico-literária com performances poéticas e musicais, e espetáculos teatrais.

Entre os convidados, destacam-se Casemiro Medeiros (CE), Evelyn Klingerman (RJ), Roseana Murray (RJ), Adriana Barbosa (SP), Mário Prata (SP), Andrey Santos (DF), Maria Custódia Wolney (DF), Francine Cruz (PR), Kátia de Azevedo (DF), Luzilá Gonçalves (PE), Alexandre Azevedo (SP), Alberto Bezerra (AM) e Bartolomeu Queiros (BH).

No espaço de comercialização de livros, cerca de 60 estandes, com estrutura adequada e ambiente climatizado, reunirão editoras, livreiros e artesãos para exposição e venda de aproximadamente 70 mil títulos e produtos regionais.

Segundo a organização do evento, devem ser movimentados mais de R$ 3 milhões durante os 10 dias de programação. E, a expectativa é receber um público visitante de aproximadamente 250 mil pessoas entre estudantes, educadores, universitários e público em geral.

“A Feira, além de ótima opção para o entretenimento e o lazer, apresenta-se como oportuna ferramenta para empreender em conjunto: sociedade civil, poder público e privado, numa ação transformadora na vida cultural da nossa cidade. Além disso, ela promove ocupação e geração de renda para centenas de pessoas que formam as cadeias produtivas envolvidas na realização do evento”, destaca o presidente da Func, Euclides Moreira Neto.

A estrutura do evento ocupará uma área de, aproximadamente, seis mil m², onde cerca de 20 espaços estão instalados, entre eles os auditórios José Chagas e Aldo Leite, o Café Literário, o Espaço Jovem, a Casa do Escritor, o Espaço Criança, o CineSesc, o Teatro Reynaldo Faray, além de estandes, salas, tendas e auditórios climatizados.

A Feira do Livro de São Luís foi criada pela Lei Municipal nº. 4.449 de 11 de janeiro de 2005 para ser empreendida da Func. O objetivo do evento é promover a democratização do acesso ao livro e à leitura, fomentando os processos de criação e produção literária, assim como estimular a cadeia mediadora da leitura.

A 5ª Feira do Livro de São Luís estará aberta ao púbico até o dia 04 de dezembro, sempre das 14h às 22h.

Fonte: blog http://www.feiradolivrodesaoluis.com.br

O Patrono.

Nascido num pequeno sítio chamado Aroeiras, no distrito de Santana dos Garrotes, que hoje passou a município, no Estado da Paraíba, o jovem José Francisco das Chagas viveu uma infância e uma adolescência voltada para o plantar e o cuidar do cultivo da terra, pois seus pais eram lavradores. Em 1948, aos 23 anos de idade, viaja para o Maranhão e conhece o grande amor de sua vida; a cidade de São Luís. Nesse período foi companheiro do então professor Mata Roma numa pensão na Rua da Palma, sendo através deste apresentado a nova intelectualidade ludovicense.

Em pouco tempo torna-se um homem de imprensa, trabalhando no jornal O Correio do Nordeste, do Zuzu Nahuz, em que escrevia crônicas diariamente. Depois passou a trabalhar no Jornal do Dia, que hoje é o jornal O Estado do Maranhão. Escreveu também para o Jornal do Povo, de Neiva Moreira, e para O Combate, que era um jornal de oposição ao governo da época.

A grande consequência de trabalhar nesses jornais foi a influência que estes tiveram sobre um José Chagas até então apolitizado, mas que mais tarde chegaria a ser vereador à Câmara Municipal de São Luís, onde também serviria como diretor da Secretaria-Geral. Experiências estas que o poema diz não ter orgulho.

Autor de mais de 20 obras (estreou em 1955 com o livro Canção da Expectativa), possui entre suas obras mais conhecidas; Canhões do Silêncio, Os Telhados e Maré/memória, obras tidas com grandes hinos de amor a cidade de São Luís. José Chagas, que também já foi músico e funcionário tanto do IBGE quanto da Universidade Federal do Maranhão, hoje vive com um dia desejou, rodeado de livros, na casa onde mora, no bairro do Monte Castelo.

“É seguramente um dos grandes poetas de nossa atualidade, e pela principal temática de suas obras e por toda a sua paixão e dedicação pela bela São Luís, lhe garantiram a justa homenagem como patrono da 5ª Feira do Livro”, destacou o presidente da Fundação Municipal de Cultura (Func), Euclides Moreira Neto, na época da escolha.

Não houve polêmicas em relação a escolha, todos os maranhenses reconhecem que José Chagas é um dos mais importantes poetas na nossa terra, ter nascido aqui ou não é apenas um pobre detalhe que não diminui a sua obra-homenagem a Ilha dos Amores realizada por esse artistica das letras, ou pelo Palavrador, como o mesmo certa vez referiu a si mesmo. Todos nós nos sentimos homenageados em tê-lo em nosso Estado.

Hoje, próximo de completar 90 anos, o nosso poeta ainda preserva sua finíssima ironia, uma qualidade que sempre lhe foi peculiar, e um espírito pleno de dedicação pela sua apaixonada São Luís, cidade que sempre exaltou e exaltará por muitos e muitos anos.

Para os estudiosos da obra de José Chagas, o poeta é um hábil sonetista, cultor de rimas preciosas e dedica uma preferência toda especial pelo metro curto, sendo assim, há numerosos quadrissílabos, pentassílabos e até linhas de apenas duas ou três sílabas métricas.

Em geral, Chagas elege um título e um tema e apresenta o livro na forma de um poema único, porém, aqui se deve ressaltar a multidimensionalidade dos temas criados pelo poeta. O que muitos afirmam ser um tema único (como seu afeto pela cidade que adotou com sua) é na verdade uma vastidão de temas ocultos dentro de um tema aparente, onde podemos encontrar tanto dados comuns como a solidão, o silêncio, a reflexão e a meditação, como singulares; os muros de Alcântara, o avanço das ciências, os amigos pedidos no tempo, etc.

Duas características se destacam em José Chagas, a entregue de corpo e alma para revelar ao povo maranhense a beleza (e os destroços) da Ilha dos Amores, através das descrições dos becos, dos mirantes, as pontes e da sua gente. A outra é a sua infância, da vida humilde de filho de lavradores, Chagas conseguiu cunhar-se como um simples palavrador , como ressalta Manoel Santos Neto; “A poesia de José Chagas é um campo fértil para diálogos e indagações, se se considerar que a própria Bíblia impõe que homem e mulher ganhem a vida com o suor do próprio rosto. Se pela obra de um escritor se lê a alma, a vida dele, então os poemas de José Chagas são cartas para todas as criaturas do Universo, já que a matéria de seus poemas é a vida, o tempo presente.” (NETO, Guesa Errante, 2005)

Texto: Flaviano Menezes




Os Canhões é uma obra em que José Chagas toma como ponto de partida o Desterro, um bairro de São Luís, e daí constrói, em mais de 200 páginas, com ritmo variado, uma crônica sobre a hitória, os prazeres e encantos de São Luís, sem nunca entretanto, refletir sobre a existência humana. (Manuel Santos Neto)



CONVITE de Paulo Melo Sousa Melo Sousa do PAPOÉTICO

Olá, galera do Papoético. Convido a todos para participarem das minhas palestras na Feira do Livro de São Luís.


Dia 26 de novembro, sábado, às 18H30 - ALTERNATIVAS CULTURAIS PARA SÃO LUÍS

Dia 27 de novembro, domingo, às 20 horas - A OPÇÃO CULTURAL DO PAPOÉTICO

Um grande abraço, e até lá. Paulo Melo Sousa.



domingo, 20 de novembro de 2011

Caminho das Pedras: XII Semana de Letras da Universidade Estadual do Maranhão


De 23 a 26 de novembro acontecerá a XII Semana de Letras da Universidade Estadual do Maranhão (Campus Paulo VI - São Luís) com o Tema Língua, Literatura e Ensino.

Comunicações e Palestras sobre a Literatura e a linguagem maranhense apresentados neste evento:


XII SEMANA DE LETRAS – 23 A 26/11/2011

COMUNICAÇÃO ORAL – DIA 24/11/2011

EIXO TEMÁTICO 1: LITERATURA MARANHENSE, DISCURSO E MEMÓRIA - 13h30


Da habilidade e da sensualidade: uma análise das personagens femininas em Histórias Brejeiras, de Arthur Azevedo

Paloma Veras Pereira (UFMA)

Prof. Dr. José Dino Costa Cavalcante (UFMA)



Cinema e Literatura em “Vela ao crucificado”

Thaís Carvalho Fonseca (UEMA)

Prof. Dr. Jorge Luis Borges Bezerra(UEMA)



Josué Montello e o romance histórico em Noite sobre Alcântara

Marília Milhomem Moscoso Maia

Prof. Dino Cavalcante (UFMA)



Memória na literatura maranhense: conversas com a lembrança em Teias do tempo, de Conceição Aboud

Vanessa Pereira (UEMA)

Wendel Santos (UEMA)

Prof. Ms. Dinacy Correa (UEMA)



São Luís, única capital brasileira fundada por franceses: um estudo sobre a reatualização da memória de identidades em meios midiáticos.

Deborah Nayanne Costa (UFMA)

Prof. Dra. Ilza Galvão Cutrim (UFMA)



A cena denunciação no romance feminino maranhense

Wendel Santos (UEMA)

Prof. Ms. Dinacy Correa (UEMA)



O discurso poético de Nauro Machado

Érica Moreira (UEMA)

Prof. Ms. Valderi Ximenes Meneses (UEMA)



Dom Sebastião: as abordagens de Fernando Pessoa e Bandeira Tribuzi

Michelle Paula Passos da Silva (UEMA)

Prof. Ms. Camila Maria Silva Nascimento (UEMA)



EIXO TEMÁTICO 2: SISTEMA LINGUÍSTICO, INTERTEXTO E INTERDISCURSO - 13h30

Vocalismo e consonantismo: um estudo sobre o sistema lingüístico da comunidade quilombola Cipoal dos Pretos

Monique Souza Silva (UEMA)

Prof. Ms Haroldo Bandeira (UEMA)



Os aspectos intertextuais na documentação museológica sobre numismática no Museu Histórico e Artístico do Maranhão.

Flávio Mendes Nascimento (UEMA)

Prof. Ms Tereza Cristina M. Barreto (UEMA)



Os discursos na formação de sentido da documentação museológica sobre indumentária do MHA do Maranhão

Cláuberson Carvalho (UEMA)

Prof. Ms Tereza Cristina M.Barreto(UEMA)



EIXO TEMÁTICO 6: GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS

O sonho cor de rosa ao sabor de viver o Maranhão: língua, discurso e produção de identidades na publicidade do guaraná Jesus

Thayane Soares da Silva (UFMA)

Prof. Dra. Mônica Silva da Cruz (UFMA)



EIXO TEMÁTICO 8: NARRATIVA: LITERATURA BRASILEIRA

As patologias sociais e a deteriorização humana na obra O cortiço

Diana Sampaio (UEMA)

Mayara Silva (UEMA)