quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Maranharte Informa: 7ª Feira do Livro de São Luís – Projeto Papoético, Ricardo Leão, Noberto Noqueira e Herbeth de Jesus Santos



Hoje (02/10), a partir das 19h, será realizada a 2ª eliminatória do Projeto Papoético, no espaço “Poesia no Beco”, Beco Catarina Mina. O Papoético tem com a finalidade de estimular e socializar a atual produção poética realizada em língua portuguesa por autores inéditos. O projeto foi idealizado e é executado pelo poeta e jornalista Paulo Melo Sousa e integra a programação da 7ª FeliS.

Na Aliança Francesa, acontece uma palestra sobre um dos homenageados desta edição “Aluísio no palco e nas ruas”, com Noberto Nogueira, às 16h. A programação do espaço segue com a palestra “A formação da literatura nacional” e “Atenas Brasileira: Identidade e fundação de um mito”, com Ricardo Leão, às 18h. Lembrando que esta obra "Os Atenienses: a invenção do cânone nacional" foi reeditada pelo GEIA e é uma leitura essencial para quem quer conhecer a opinião deste poeta e crítico literário sobre a "AThenas brasileira". Por fim,  "Botando o preto no branco, na queimação de pestanas: Movimentos Literários e Planos Editoriais nos séculos 20 e 21 em São Luís", com Herbeth de Jesus Santos, às 20h.


domingo, 29 de setembro de 2013

Maranharte Informa: 7ª Feira do Livro de São Luís – Café Literário: José Maria Nascimento, Antonio Ailton e Couto Corrêa Filho



A Galeria Valdelino Cécio, no Centro de Criatividade Odylo Costa, Filho, tornou-se o espaço charmoso do Café Literário, promovendo o encontro do público da 7ª Feira do Livro de São Luís (FeliS) com a expressão poética do patrono deste ano. No segundo dia do evento, os poetas José Maria Nascimento, Antonio Ailton e Couto Corrêa Filho mediaram um bate papo sobre a importância da obra de Nauro Machado para as várias gerações de literatos.


Imagens e fotografias, trechos de poesias, releituras de obras poéticas em formato de painéis deram ao lugar a atmosfera existencialista e conectada com a cidade de São Luís que está presente na obra de Nauro.


O primeiro encontro de José Maria com o poeta aconteceu no abrigo da Praça João Lisboa, período em que o lugar servia de espaço para apreciar um bom café ao final da tarde e os bondes ainda serviam de principal meio de locomoção por entre os casarões históricos. À época, com 20 anos e recém-saído do Exército, José Maria tinha acabado de publicar o livro “Células de Esperança” e queria a opinião crítica de Nauro. Ali começou uma amizade que permanece há 60 anos.


Da relação com Nauro Machado, José Maria passou a compreender as relações entre as experiências da vida do poeta e a tradução disto em expressão poética, nas noites de boemia que terminavam na Rua 28 de Julho, zona do baixo meretrício, ao som de orquestras de baile, em companhia de meretrizes, além de algumas histórias curiosas, como a prisão dos dois após constatarem que não tinha dinheiro no bolso para pagar o consumo de uma noitada. Depois, tudo se transformava em texto e poesia.


O poeta é a sua poesia


Para Antonio Ailton, experimentar a poesia de Nauro é entrar em estado de embriaguez pela palavra. Viver a poesia como ofício de vida provoca o conflito onde a vida e a arte se tornam as mesmas coisas. E é neste conflito que reside a compreensão da obra do poeta e os vínculos com a cidade de São Luís. “Nauro nasceu pra escrever”, disse.

Os três debatedores consideram Nauro como um gigante e principal representante da 1ª geração do modernismo na literatura maranhense.  Para Couto Corrêa, a homenagem da Feira faz justiça ao poeta que, nos anos 70, era definido como hermético e rejeitado pelos seus contemporâneos.


Foi a geração dos contemporâneos do poeta Antônio Ailton que revisitaram a obra de Nauro na década de 90. Para ele, a influência de Nauro é tão grande que as gerações seguintes têm dificuldade em se desligar dele como referência.


Entre uma fala e outra, a poesia se manifestava. E o público também foi homenageado com a leitura da poesia “Os Passantes”, de autoria de José Maria Nascimento. A homenagem a Nauro foi celebrada em forma de encontro entre os poetas convidados e os leitores e público da Feira.


José Maria Nascimento encerrou o bate papo com a seguinte declaração: “Se existir outro mundo, eu e Nauro vamos começar tudo de novo, da Rua 28 de Julho até o Cemitério do Gavião”.


fonte: blogdafunc

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Maranharte Informa: Exposição ‘Memória da República Brasileira’






Será aberta na próxima quinta-feira (27), às 19h, a exposição ‘Memória da República Brasileira’, na Fundação da Memória Republicana Brasileira (FMRB), situada no Convento das Mercês (Desterro), quando serão apresentadas 401 peças, número em homenagem aos 401 anos de São Luís comemorados este mês.


No primeiro dia a exposição será aberta apenas a convidados. Somente na sexta-feira (28), que a mostra será aberta à visitação do público, sempre das 9h às 18h, de segunda a sexta, e aos sábados, das 8h às 12h.


A exposição é considerada o primeiro museu do Norte e Nordeste adaptado para multimídias, que tem como objetivo trazer uma nova leitura sobre as peças, usando a tecnologia a favor do conhecimento. Com o auxílio de tablets, aparelhos de DVD, televisões e telão, a exposição ganha diferencial e cria uma nova linguagem, que facilita o entendimento e proporciona interatividade, já que os visitantes terão acesso digital às informações de cada peça, além de uma visualização em 360° desses objetos.


A exibição é dividida em quatro momentos, onde é possível observar toda narrativa da República Brasileira, passando rapidamente pelo fim do Império até retratar a história dos presidentes do Brasil. Logo na entrada, por meio de um vídeo, os visitantes podem fazer um rápido passeio pela história dos frades mercedários, antigos moradores tidos como um dos ‘Sete Tesouros de São Luís’.

Em seguida, no Salão República, serão apresentadas peças do acervo museológico, que vão contar a história da República com o auxílio de um sistema digital. Nesse espaço será possível observar, com a ajuda de televisores, fotos e tela de exibição, a história dos presidentes do país e o que cada um fez em seus respectivos governos. 


No Salão Presentes, o espaço é dividido em duas partes, onde é possível encontrar uma infinidade de presentes ofertados ao presidente José Sarney, como esculturas, pratos, louças, quadros, chaves de cidades, artesanato, imagens sacras e placas de instituições militares e governamentais.


No início do salão, estão peças internacionais que são expostas de acordo com a origem de cada país. São inúmeros objetos da França, Portugal, África, Japão, Israel, entre outros.


No terceiro espaço, está a Galeria Sarney, que também é dividida em duas fases. Na primeira, é retratada a trajetória política do presidente José Sarney, com vídeos, documentários, fotografias de jornais e charges. Neste ambiente, o visitante também terá auxílio das tecnologias, onde vai obter informações digitalizadas. Logo depois, é possível observar a vida de José Sarney como intelectual, com seu acervo literário, bibliografia, trajetória na Academia Brasileira de Letras, condecorações e diplomas.


Fonte e foto: www. g1.globo.com



Maranharte Informa: 7ª Feira do Livro de São Luís – Interatividade






Os visitantes da edição 2013 da Feira do Livro de São Luís poderão interagir e passear, virtualmente, pelos principais pontos do Centro Histórico da capital maranhense. No stand que vai funcionar em frente ao Terminal de Integração da Praia Grande será montada a Mostra Semente Digital, onde as pessoas terão a oportunidade de se utilizar de diferentes tecnologias de imagem e produção de conteúdo audiovisual.



A mostra faz parte do Projeto Semente Digital, desenvolvido há dois anos pelo Laboratório de Convergência de Mídias (Labcom) da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). O programa pretende sensibilizar os moradores de São Luís para a importância da preservação do patrimônio histórico e material da cidade, procurando fazer isso através de experimentos interativos, e formação de redes e registro em vídeos e fotos.


O projeto pretende atingir seu público alvo com diferentes ferramentas e de um jeito mais efetivo, transformando a visão costumeira que as pessoas têm de uma paisagem inserida no seu dia a dia, com a qual muitos deixaram de se importar, pondo em risco uma das maiores riquezas da cidade que é considerada pela Unesco, como Patrimônio Cultural da Humanidade.


Outro recurso utilizado será a chamada realidade aumentada. A tecnologia possibilita, a partir da interação com elementos virtuais, uma inserção nas histórias dos casarões e personalidades que fazem parte da cultura local.


Além da mostra, já apresentada por dois anos consecutivos na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, o projeto desenvolve a formação de redes de pessoas interessadas na temática da preservação do patrimônio histórico, bem como um trabalho de registro em fotos e vídeos. Até 2014 o projeto pretende lançar o primeiro livro didático do Brasil utilizando conteúdo adicional através de realidade aumentada a ser distribuído nas escolas do Estado.


Fonte e foto: www. g1.globo.com



quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Maranharte Informa: Lançamentos na AML





Membro da Academia Maranhense de Letras, Jomar Moraes, 73 anos, lança coletânea nesta quinta-feira (26/9), a partir das 19h, na sede da Academia Maranhense de Letras, localizada na Rua da Paz, 84, Centro de São Luís. São obras de João Francisco Lisboa em quatro volumes, Frei Francisco de Nossa Senhora dos Prazeres do Maranhão e Simão Estácio da Silveira.


Dentre as obras, estão Relação Sumária das Cusas do Maranhão,.O termo "cusas" significa "coisas" , livro do Frei Francisco e também o livro  “Poramdubas Maranhenses”, que trazem relatos, histórias do Maranhão, obra de Simão da Silveira.


Amante da literatura maranhense, Jomar em visita a sede do Jornal o Imparcial, ressaltou a importância e dedicação em prol da cultura literária da obra do fascinante escritor João Francisco Lisboa:


"É importante não só para mim, mas para toda a cultura popular maranhense. Eu tenho certeza que essa coleção é um patrimônio cultural e que apesar de entregar a coleção completa desse autor. Espero que não fique por aqui, que continue ainda por muitos anos, porque a sociedade é merecedora de um patrimônio como esse", frisou.


Jomar Moraes nasceu em Guimarães no dia 6 de maio de 1940 e é bacharel em Direito pela Universidade Federal do Maranhão, cronista, pesquisador, ensaísta, crítico e historiador da literatura maranhense. Ele ingressou na Academia Maranhense de Letras em 1969, com 29 anos e a presidiu por 22 anos (1984-2006).


Fonte: www.oimparcial.com


segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Maranharte Informa: 7ª Feira do Livro de São Luís – Programação Completa



PROGRAMAÇÃO COMPLETA AQUI



Maranharte Informa: 7ª Feira do Livro de São Luís – Programação Infantil






Para garantir a participação dos futuros leitores, a programação da 7ª Feira do Livro de São Luís (FeliS) terá atividades voltadas para crianças de todas as idades, que vão desde a pintura facial artística a lançamentos de livros infantis. O evento que terá início na próxima sexta-feira (27), espera receber um público infantil de aproximadamente 2 mil crianças por dia, para as mais de 30 atividades que serão realizadas em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Semed) e o Serviço Social do Comércio (Sesc/MA).

Entre os espaços destinados ao público infantil, o Anfiteatro Bittencourt, ao lado do Centro de Criatividade Odylo Costa Filho, abrigará o espaço Brincando com a leitura. Sob o comando do Sesc/MA, este espaço terá em sua programação a realização de pinturas artísticas e oficinas de Ilustração, Tirinha, Conto e Poesia, Teatro de Fantoches e atividades de leitura.

No Espaço Cine Sesc, serão exibidos filmes das 14h às 16h30, todos os dias. Entre as exibições estão filmes como ‘Guido e Gaspar’, ‘A Menina espantalho’, ‘Caminhos’, ‘O sumiço do amigo invisível’, ‘As férias de Lord Lucas’, ‘O menino mofado’, entre outros.

Na Praça da Criança, localizada na Rua da Estrela, funcionará o espaço coordenado pela Semed. No local, a programação terá Hora do Conto, Jogos Literários, Amadores de Mímica, Contos clássicos e populares, Poesia ao Pé do ouvido, Rodas de Leituras de fábulas, ilustradas, de cordel e africanas, Baú de histórias, cantigas de roda dançante, Ciranda musical, contos de lendas maranhenses e oficina de batucada maranhense, além de cineminha e oficina de produção literária, onde os pequenos leitores poderão se enveredar na grande aventura de escrever seus próprios contos. 

A 7ª FeliS traz ainda o espaço Pé de Livro, que funcionará embaixo da árvore da Praça da Casa do Maranhão. A proposta é proporcionar um espaço para mediação de leitura, com jogos literários, leitura de contos e apresentação de peças teatrais.  No dia 29 de agosto, por exemplo, a criançada terá a oportunidade de saber um pouco mais sobre a história de nossa cidade com a Batalha de Guaxenduba e o Conto de reconto de nossas lendas, às 16h e 17h, respectivamente. No dia 30, terá muita contação de história a partir das 10h, além do lançamento do livro ‘História de Riso’ e ‘Circo’, de Michelle Cabral.

Além destes espaços, haverá ainda: o Cine FeliS, no Cine Praia Grande, onde todos os dias, às 10h, serão exibidos filmes para o público infantil; o Teatro Alcione Nazaré, com a apresentação de espetáculos; e visitação aos museus e exposições espalhadas pelos equipamentos culturais da Praia Grande, como a Casa de Nhozinho.

As escolas públicas, privadas e comunitárias interessadas em participar do evento podem realizar o agendamento para visitação monitorada através dos telefones (98) 9185-2164 e 9186-3646. Mais informações sobre o evento e a programação completa estão disponíveis no endereço eletrônico: http://www.saoluis.ma.gov.br/.

Fonte: o imparcial